O Alasca tem o A de aventura

A “última fronteira selvagem”, é assim que o Alasca é conhecido porque reserva aventuras surpreendentes. Não pense que vá encontrar apenas gelo por lá. Sim, vai ter bastante e por causa disso vai se deparar com situações que nunca deve ter imaginado, como passear de trenó, avistar baleias e orcas, pescar salmão nos rios e se der sorte, ver de perto o urso polar, maior carnívoro da região.

O Alasca pertence aos Estados Unidos, mas nem sempre foi assim. O território foi comprado do Império Russo em 1867 por apenas US$ 7 milhões naquela época. Atualmente é o maior estado norte-americano e é um dos menos povoados – menos de 1 habitante por km². Isso faz dele um lugar diferente de muitos outros do país. Os animais têm maior espaço e vivem sem a interferência humana. A natureza é praticamente intocada, com rios livres de poluição, céu limpo para ver a aurora boreal, animais se reproduzem em seu habitat e a vida selvagem pode ser notada por toda parte.


O Alasca proporciona aventura do começo ao fim

Mas há muito que fazer por lá. Uma das mais excitantes é realizar um passeio pilotando um trenó puxado por cães, como nos filmes ou documentários. Com orientações rápidas, você pode seguir seu guia e ir dirigindo sozinho o meio de transporte mais eficaz para o gelo.

O uso do trenó é um assunto tão sério que até existe um campeonato, o Iditarod Sled Dog Race que acontece anualmente em março. É o esporte mais popular do estado e competidores de diversos países concorrem ao título. Inclusive nos últimos anos, um brasileiro esteve entre os competidores, você se arriscaria?

Outra aventura imperdível é fazer trilha para observar os animais selvagens vivendo livremente. Pode ser caminhando no gelo com equipamentos especiais, ou então, seguindo por trechos pelos bosques. Não será difícil encontrar alces, lobos, veados ou avistar a águia- real, símbolo dos Estados Unidos, voando à procura da sua próxima refeição.

Gosta de pescar? Você pode tentar fisgar algum salmão que existe em muitos rios do Alasca e que prefere águas frias para viver e se reproduzir. É um animal arisco que exige paciência para ser capturado. Depois da conquista, você pode soltá-lo se quiser.

Para aqueles com preparo físico em dia e experiência suficiente em escaladas, a montanha mais alta do país está lá, à sua espera. É o Monte McKinley com 6.187m de altura, um dos sete picos mais difíceis de escalar do mundo. Não é para qualquer um.

 

Cruzeiro pelas águas frias do Alasca

Se a sua preferência é ver de perto as geleiras, existem cruzeiros que levam até elas. As embarcações têm infraestrutura completa e você ficará bem acomodado durante toda a viagem, com boa alimentação, entretenimento e cabines confortáveis.

Navegar pelas águas geladas proporciona situações que você só irá ver em locais como o Alasca. Poderá avistar baleias à procura dos plânctons, seu principal alimento, ou então grupo de orcas perseguindo sua próxima refeição que pode ser uma foca ou lobo marinho. É a cadeia alimentar seguindo seu curso natural.

Não se espante em ver blocos de gelo flutuando perto do navio durante o trajeto. Eles se desprenderam das geleiras e ficam à deriva até derreterem totalmente. A experiência do comandante saberá evitá-los.

A natureza conta a história do Alasca dia após dia. São aventuras, novidades e situações onde tudo ocorre sem um roteiro pré-determinado. Passar uma temporada sendo um espectador para vivenciar cada flagrante é uma oportunidade imperdível.

 

 

Ativa | Fale com a gente e faça sua viagem.